M
Logo Portal da BIDS

© 2022 CityPubli

Logo Portal da BIDS
Logo Portal da BIDS

NOTÍCIAS

ABIMDE: Presidente Executivo realiza palestra na SC Expo Defense

Nesta sexta-feira tivemos o segundo e último dia da SC Expo Defense, feira de tecnologias e produtos de defesa organizada pela (FIESC), em Florianópolis. A ABIMDE esteve no evento representando a BIDS, apresentando o potencial do setor. O evento contou com a...

Mostra BID é evidenciada em evento de posse da nova diretoria da ABIMDE

A Mostra BID Brasil foi destaque no evento que empossou os Conselhos Diretor e Fiscal da ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) , para o triênio 2022-2024, no Clube Naval de Brasília. Em seu discurso, o Presidente do Conselho...

Furnas: Mais de 700 militares da Marinha realizam adestramento

Mais de 700 militares da Marinha do Brasil estão reunidos até o dia 18 de maio, na região de Furnas (MG), para o Adestramento de Operações Ribeirinhas (AdestOpRib). O objetivo principal do exercício é manter a condição de pronto emprego e a capacidade expedicionária...

COMAE realiza operação de controle do SGDC, no Rio de Janeiro (RJ)

O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), por meio do Centro de Operações Espaciais (COPE), realizou de quarta (11/05) até esta sexta-feira (13/05), a operação de controle do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), a partir do Centro...

CNI: Confiança aumentou em 14 setores da indústria

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) por setor, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra os impactos da incerteza sobre a regularização das cadeias de suprimento na percepção do industrial. De acordo com a pesquisa, o indicador subiu em 14...

Ministro da Defesa destaca importância da BIDS em SC

O Ministro da Defesa, Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, participou, nesta quinta-feira (19), da abertura da 2ª SC Expo Defense que acontece em Florianópolis (SC). A iniciativa promove o fortalecimento da Base Industrial de Defesa e Segurança (BIDS), estimula o...

Safran desenvolve com a ATR tecnologia que analisa pousos duros

A Safran Landing Systems, empresa que atua em sistemas de pouso e frenagem, desenvolve com a ATR uma nova tecnologia que permitirá a análise de “pousos duros”. Desta forma, será possível pode acelerar o processo de manutenção das aeronaves. As informações são da Aero...

ABIMDE prestigia inauguração de nova fábrica da DFA em Goiás

O Presidente Executivo da ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança), General Aderico Visconte Pardi Mattioli, representou a entidade na inauguração da nova fábrica da DFA Defense, na última segunda-feira (16). O evento aconteceu...

ABIMDE lidera comitiva da BIDS em 11 países

A ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) integra uma comitiva de representantes da BIDS em visita ao Norte da África, Oriente Médio e Leste Europeu, em potenciais parceiras para aquisição de produtos de defesa. Também integram...

SC Expo Defense: ABIMDE participa do evento, que começa hoje (19)

A ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) participa, a partir desta quinta-feira (19), da 2ª edição da SC Expo Defense. O evento acontece até sexta-feira (20) na Base Aérea de Florianópolis, em Santa Catarina. O evento terá a...

A Indústrias Nucleares do Brasil – INB finalizou na última quinta-feira (28/04), na Fábrica de Combustível Nuclear (FCN), em Resende/RJ, a produção da 18ª Recarga de Angra 2, totalizando 56 elementos combustíveis, num teor de 4,25% de enriquecimento. A data de início de transporte dos elementos para a usina ainda não foi definida pela Eletronuclear.

Quanto ao atendimento à Angra 1, o superintendente de Produção do Combustível Nuclear da INB, Marcelo Sobral, informou que a produção da 27ª Recarga foi iniciada em meados de março e a previsão é que seja concluída em julho.

A recarga é o processo de reabastecimento de uma usina nuclear por meio da substituição de elementos combustíveis descarregados por novos. Estes elementos são estruturas metálicas, com até 5 metros de altura, formadas por um conjunto de tubos, chamados de varetas, que recebem as pastilhas de urânio enriquecido. A etapa após a produção é o transporte até as usinas.

Summer Summit

O presidente da Indústrias Nucleares do Brasil – INB, Carlos Freire Moreira, mediou, no dia 28 de abril, um painel durante o último dia da Nuclear Summit 2022, conferência apresentada pela Eletronuclear. No intuito de discutir as tendências do mercado nuclear brasileiro à luz dos grandes movimentos mundiais, o evento trouxe grandes nomes do setor, como o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Mariano Grossi.

Com a temática Mineração e Combustível, o painel mediado por Freire contou com a presença do diretor de Produção do Combustível Nuclear da INB, Márcio Adriano Coelho, da secretária Adjunta da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia, Lilia Mascarenhas Sant’Agostino, do diretor de Geologia e Recursos Minerais do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Márcio Remédio, e também dos convidados internacionais: o vice-presidente de Vendas e Marketing da URENCO, Magnus Mori, e o vice-presidente de Marketing da CAMECO, David Doerksen.

Foi unanimidade entre os participantes que a energia nuclear tem papel fundamental na transição para a descarbonização, o processo de redução de emissões de carbono na atmosfera, especialmente de dióxido de carbono (CO2). A mudança em escala global, no entanto, gera grandes desafios para as empresas do setor, que precisarão se adaptar para atender às novas demandas do mercado, que incluem o crescimento no número de reatores avançados e dos Pequenos Reatores Modulares (SMR – Small Modular Reactors, em inglês) ao redor do mundo nos próximos anos.

A disponibilidade de matéria-prima, no caso, o urânio, foi um dos desafios relacionados durante as discussões, que levaram em conta o cenário geopolítico atual e o fato de grande parte das reservas do minério na Europa estarem em território russo. Apesar da seriedade da questão levantada, acredita-se, de acordo com os presentes, que a capacidade produtiva brasileira não será afetada, considerando o país entre os dez com maiores recursos de urânio no mundo, tendo apenas 30% de seu território prospectado. O objetivo dos órgãos responsáveis, segundo Márcio Remédio e confirmado por Lilia, é que o Brasil, em breve, possa produzir concentrado de urânio (U3O8) não apenas para atender Angra 1, 2 e 3, mas também para exportar o material sobressalente.

Os planos citados pela secretária foram em consonância com a fala de Márcio Adriano em relação à visão de futuro que existe para a INB e o ciclo brasileiro de energia nuclear. De acordo com o diretor de Produção do Combustível Nuclear da empresa, espera-se que, em 2027, Angra 3 esteja operando comercialmente com recargas anuais, já que no momento, a INB trabalha na produção do primeiro núcleo do reator.

“Está prevista também para 2027 a possibilidade de uma nova tecnologia de elementos combustíveis: o Combustível Tolerante a Acidentes (ATF – Accident Tolerant Fuel, em inglês), que foi desenvolvido para evitar incidentes como o de Fukushima, no Japão, em 2011”, revelou o diretor.

Márcio destacou ainda a necessidade de a empresa estar preparada para atender as demandas que podem surgir nos anos seguintes, como a instalação de uma nova usina nuclear brasileira em 2031 e a previsão de SMRs em diversos pontos do país.

“Existe a previsão de que, em 2035, não haverá oferta suficiente de conversão para atender à demanda do mercado. Para isso, juntamente à Marinha do Brasil, estamos cooperando em um projeto conceitual de uma planta piloto para podermos realizar pelo menos parte da etapa de conversão no Brasil”, disse, acrescentando que, em relação ao enriquecimento de urânio, até o final deste ano, a INB terá dez cascatas em funcionamento, enriquecendo 70% do material necessário para as recargas de Angra 1. O projeto de expansão da planta, no entanto, visa entregar o total de 30 cascatas, permitindo assim, realizar nas instalações o enriquecimento de 100% do urânio que irá compor as recargas de Angra 1, 2 e 3.

O Nuclear Summit 2022 abordou ainda temas como taxonomia verde, oportunidades de negócio, a presença de mulheres no setor, regulação e licenciamento, além de trabalhar em diversas frentes assuntos relacionados aos SMRs. O evento foi idealizado e realizado pela Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares – ABDAN em parceria com a World Nuclear Association (WNA) e a AIEA.

Confira todas as novidades das empresas da BIDS

Fique informado sobre as ações das nossas Forças Armadas e de segurança

 

Translate»