M
Logo Portal da BIDS

© 2024 CityPubli

Logo Portal da BIDS
Logo Portal da BIDS

NOTÍCIAS

Aprovações na linha de exportação do BNDES crescem 135% no semestre

Desembolsos também cresceram 31% no mesmo período, em relação a 2023  Apenas entre micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), valor das aprovações aumentou 483% O valor das aprovações de crédito para a linha BNDES EXIM Pré-Embarque, que financia as exportações de...

Curso de Busca e Salvamento 2024 é um marco na capacitação militar

O treinamento foi operacionalizado pelo Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR) e aconteceu nas localidades de Parnamirim (RN), Rio de Janeiro (RJ) e Manaus (AM) A Base Aérea de Natal (BANT) realizou, nessa quinta-feira (11/07), a Solenidade Militar de...

Brasil participa de sessão da reunião ministerial de comércio do G7 na Itália

Secretário executivo do MDIC acompanha reunião do B7 e faz reuniões bilaterais na manhã desta terça-feira O Brasil está presente como convidado na reunião ministerial de comércio do G7, que ocorre na cidade de Reggio Calabria, Itália. O grupo, composto por sete das...

Exércitos Brasileiro e Americano realizam exercício no Maracanã

Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear Na última semana, o Exército Brasileiro e o Exército dos Estados Unidos realizaram um grande exercício combinado no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. A atividade, denominada como Operação Maracanã, é uma imersão...

Brasil é o primeiro país a receber apoio do Acelerador de Transição Industrial (ITA) para descarbonização da indústria

Brasil é o primeiro país a receber apoio do Acelerador de Transição Industrial (ITA) para descarbonização da indústria O Brasil será o primeiro país a receber a parceria do Acelerador de Transição Industrial (ITA, conforme sigla em inglês). A parceria foi anunciada...

Tropas do Rio de Janeiro participam da Operação Punho de Aço

Garantir o preparo da tropa para atuar com alto nível de prontidão diante de em qualquer cenário é o objetivo da Operação Punho de Aço. O exercício, realizado na Academia Militar das Agulhas Negras no início do mês de julho, reuniu cerca de mil militares, que...

ARES faz nova entrega para o Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro

No dia 04 de julho, a empresa ARES entregou ao Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro (AGR) mais um lote de aparelhos de pontaria SPOTIM M2A1 e de Colimadores para Morteiros 81mm. Desenvolvido em parceria com o Centro Tecnológico do Exército (CTEx), o aparelho de...

IMBEL: Fábrica de Itajubá comemora 90 anos

Ícone da tecnologia industrial de defesa do Brasil na 1ª metade do século XX Criada pelo Decreto n 23.654, de 20/12/1933, com a denominação “Fábrica de Canos e Sabres para Armamento Portátil”, a atual Fábrica de Itajubá (FI) representou, à época, o mais ousado...

Operação “ACRUX XI”: navios brasileiros atracam em Buenos Aires

De 12 a 24 de julho, as Marinhas do Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Bolívia realizarão a maior Operação Ribeirinha Combinada da América Latina Após navegarem por cerca de 2.800 km na hidrovia Paraguai-Paraná, meios navais da Marinha do Brasil (MB) atracam em 12...

A complexidade das operações aéreas em alto mar

NAM “Atlântico” passa por Vistoria de Segurança de Aviação Realizar operações aéreas em alto mar exige um elevado grau de preparação de todos os profissionais envolvidos, tanto os que estão embarcados nos navios quanto os que operam a bordo das aeronaves. O...

Exercício ocorreu no litoral do Rio de Janeiro e contou com lançamento de mísseis e bombas

A Marinha do Brasil (MB) conduziu, entre os dias 15 e 18 de junho, a Operação “Lançamento de Armas II/2024”, mobilizando navios e aeronaves da Esquadra, no litoral entre as cidades do Rio de Janeiro e Cabo Frio (RJ). O objetivo da Operação é elevar o nível de adestramento dos militares e aprimorar a eficácia dos sistemas de armas, por meio de disparos sobre um alvo de superfície.

Para o Comandante do Grupo-Tarefa da Operação, também Comandante da 2ª Divisão da Esquadra, Contra-Almirante Jorge José de Moraes Rulff, as comissões de lançamento de armas são essenciais, pois permitem avaliar e aprimorar a capacidade de resposta da Força Naval em cenários reais de combate.

“Toda operação de Lançamento de Armas é muito importante para incrementar o grau de adestramento da Esquadra, dos meios navais e aeronavais, possibilitando assegurar que nossos sistemas de armas e equipes estejam perfeitamente alinhados e preparados para qualquer eventualidade que ameace a segurança da nossa Pátria e as riquezas da nossa imensa Amazônia Azul”, explicou.

Execução

A Operação começou com o transporte do alvo pela Corveta “Caboclo”, desde a Base Naval do Rio de Janeiro até a área designada para o exercício. Na manhã seguinte, desatracou, do mesmo local, a Fragata “Defensora”, Capitânia da Operação, onde estava embarcado o Comandante do Grupo-Tarefa.

Para a preparação dos militares envolvidos com o exercício, foi elaborado um cenário crível fictício que embasasse a ação: um navio mercante, suspeito de envolvimento com uma organização extremista, monitorado pelo Comando de Operações Marítimas e Proteção da Amazônia Azul (COMPAAz), atacou uma plataforma de petróleo brasileira. Em resposta, a Segunda Divisão da Esquadra foi mobilizada para neutralizar o inimigo.

Os primeiros disparos foram realizados por helicópteros SH-16, que lançaram os mísseis Ar-Superfície (MAS) “Penguin” para impacto simultâneo no alvo. Em seguida, um caça AF-1 efetuou o lançamento de bombas de Baixo Arrasto para Fins Gerais, de média e alta altitude, e disparos com metralhadoras de 20mm sobre o alvo.

O Comandante da Força Aeronaval, Contra-Almirante Emerson Gaio Roberto, enfatizou a importância dessas operações para aprimorar a capacidade de empregar armamentos com eficácia e segurança e reforçar o compromisso da Marinha de estar preparada para agir em defesa da Pátria. O controle aéreo durante o arremesso das bombas foi coordenado pelo helicóptero AH-15B “Pegasus”, direcionando os ataques dos helicópteros e dos caças.

Em seguida, a tripulação da Fragata “Defensora” se preparou para efetuar tiros de superfície com o canhão de 4.5 polegadas. Segundo o Comandante do Capitânia, Capitão de Fragata Gustavo Almeida Matos de Carvalho, a atuação do navio na Operação ampliou, significativamente, a capacidade do poder de combate em proteger a Amazônia Azul.

A bordo da Fragata “Defensora”, são conduzidos disparos com o canhão de 4.5 polegadas – Imagem: Primeiro-Sargento FN-AT Pinho

O exercício também incluiu a participação de um destacamento de Mergulhadores de Combate das Operações Especiais da Marinha, responsável pela infiltração no alvo para ativar o dispositivo gerador de calor e a carga explosiva.

Grupamento de Mergulhadores de Combate se prepara para realizar infiltração no alvo – Imagem: Primeiro-Sargento FN-AT Pinho

A Marinha contou ainda com a colaboração da Força Aérea Brasileira, com a aeronave P-95, que efetuou a limpeza da área, assegurando que não houvesse outras embarcações ou aeronaves presentes durante as ações. Os diferentes tipos de armamentos empregados culminaram no afundamento do alvo.

“A minha avaliação, como Comandante do Grupo-Tarefa, é que a nossa missão foi cumprida. Nós conseguimos otimizar esses dois dias e meio de mar e incrementar o adestramento, tanto do navio e aeronaves, quanto da tripulação de bordo”, afirmou o Contra-Almirante Rulff, Comandante da 2ª Divisão da Esquadra.

A importância do adestramento

A missão principal das Forças Armadas é a defesa da Pátria. Nesse contexto, a Marinha do Brasil (MB) orienta suas ações por documentos estratégicos fundamentais, como a Política e Estratégia Nacional de Defesa, o Plano Estratégico da Marinha, os Fundamentos Doutrinários da Marinha e a Estratégia de Defesa Marítima. Esses documentos delineiam os campos de atuação da Marinha e definem as Tarefas Básicas do Poder Naval, proporcionando uma rastreabilidade doutrinária, na execução de suas ações.

Para cumprir suas atribuições de forma eficaz, a MB precisa se manter continuamente adestrada e bem-preparada. Exercícios reais de lançamento de armas, como o “Lançamento de Armas II/2024”, são necessários para manter a prontidão operacional. Esse exercício foi planejado com base nas diretrizes estabelecidas pelos documentos estratégicos, garantindo que a MB esteja pronta para cumprir sua missão e fortalecer a capacitação dos seus militares e meios operacionais.

As informações são da Agência Marinha de Notícias.

Translate»