M
Logo Portal da BIDS

© 2022 CityPubli

Logo Portal da BIDS
Logo Portal da BIDS

NOTÍCIAS

CSSP Brasil realiza encontro com comunidade científica no CEMADEN

Na última terça-feira (28) aconteceu o primeiro dia do Workshop Anual de Ciência do Climate Science for Service PartnerShip Brazil – CSSP, programa do Weather and Climate Science for Service Partnership – WCSSP. A iniciativa, que é uma troca de experiências...

FAB e BNDES assinam contrato sobre gestão de imóveis

A Força Aérea Brasileira (FAB) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) assinaram, na sede do Comando da Aeronáutica (COMAER), em Brasília (DF), um contrato que viabiliza ações com potencial de gerar aumento da eficiência da gestão do...

Marinha e CAPES assinam Acordo de Cooperação

A Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, da Marinha do Brasil, assinou um Acordo de Cooperação Técnica com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) para ofertar 28 bolsas de doutorado em Ciências do Mar. O...

Simulação Viva encerra certificação de Força de Prontidão em RR

A 1ª Brigada de Infantaria de Selva foi selecionada para compor o Sistema de Prontidão Operacional e concluiu, no final de junho, o exercício de simulação viva, etapa final da certificação de sua Força de Prontidão, a FORPRON Lobo D'Almada. No dia 26, a brigada...

Força Nacional vai apoiar a Funai em terra indígena no Pará

Agentes da Força Nacional de Segurança Pública atuarão, por 90 dias, na Terra Indígena Alto Rio Guamá, no Pará, em apoio à Fundação Nacional do Índio (Funai). Portaria que autoriza o emprego da Força Nacional foi publicada ontem (30) no Diário Oficial da União. As...

Parcerias para BIDS são tema de reunião entre Ministro da Defesa e presidente do Condefesa

O Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, recebeu em seu gabinete, na sede da Pasta, a visita do presidente do Conselho Temático da Indústria de Defesa e de Segurança (Condefesa) e vice-presidente Executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI),...

TAURUS e CBC firmam patrocínio com a Confederação Brasileira de Tiro Prático

A Taurus e a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), consideradas entre as principais fabricantes de armas e munições do mundo, são novamente patrocinadoras oficiais do Tiro Prático. As empresas apoiarão a Confederação Brasileira de Tiro Prático (CBTP) em campeonatos...

Ministro da Defesa se reúne com presidente do Condefesa

O Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, recebeu em seu gabinete, na sede da Pasta, a visita do presidente do Conselho Temático da Indústria de Defesa e de Segurança (Condefesa) e vice-presidente Executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI),...

Exército Brasileiro participa de planejamento de exercício nos EUA

A equipe de coordenação e ligação do Exercício CORE 22 (Combined Operation and Rotation Exercises 22) realiza, no período de 27 de junho a 1° de julho, a Conferência Logística de Rotação. Na atividade, ocorre o planejamento para o adestramento combinado entre as...

Novo passaporte está mais moderno e com tecnologia antifraude

Apresentado nesta semana, o novo passaporte de viagem dos brasileiros é mais moderno e seguro. Além de identificar o portador em outros países com mais segurança, o documento também é um cartão de visita do Brasil para o mundo, com ícones que representam elementos da...

A retomada da Usina Nuclear Angra 3, cujas obras recomeçam em agosto, foi um dos temas do 6º Seminário sobre Energia Nuclear: Aspectos Econômicos, Políticos e Ambientais, que começou nesta terça-feira (21) na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Organizado pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO) do Instituto de Geografia da Uerj e Casa Viva Eventos, com patrocínio da Eletronuclear, o seminário termina hoje (22). As informações são da Agência Brasil.

Em sua exposição, o chefe do Departamento de Controle de Bens e Serviços da Eletronuclear, Jean Campelo Brunswick, que até segunda-feira (20) desempenhou a função de superintendente de Gerenciamento de Empreendimentos, disse que a empresa está desenvolvendo o Plano de Aceleração da Linha Crítica, que deverá se estender até a contratação do Epecista, de modo que não se perca tempo e se mantenha o cronograma de entrada comercial da usina, estimado para fevereiro de 2028. “Isso é o que está sendo considerado hoje pela Eletronuclear”, afirmou.

Mobilização

Brunswick disse que o Plano de Aceleração do Caminho Crítico de Angra 3 está começando. A assinatura de contrato com o consórcio formado por Ferreira Guedes, Matricial e Adtranz, que permitirá a retomada das obras da usina nuclear Angra 3, foi em fevereiro deste ano, e o consórcio está, no momento, mobilizando pessoal e iniciando pequenas obras no canteiro.

A previsão é que já entre com concreto em agosto e, a partir daí, ocorra efetivamente a retomada da obra, acrescentou Brunswick. A conclusão da superestrutura de concreto do edifício do reator de Angra 3 é considerada como um marco importante “porque é uma efetiva retomada”. Ele ressaltou, entretanto, que as obras já foram retomadas, a partir da contratação do consórcio liderado pela Ferreira Guedes.

Em 2015, quando as obras foram paralisadas, com 65% delas já concluídas, tinham sido gastos R$ 7,8 bilhões na usina. “A gente vai passar desses 65% para 100%, em 2028”, disse o executivo da Eletronuclear, que não soube precisar o montante de investimentos que ainda será aplicado no projeto.

O consórcio realiza algumas obras de infraestrutura que as próprias empresas vão usar, como vestiário e refeitório, além de trabalhar na central de concreto que vai ser usado no edifício do reator.

Na fase atual, entre 99% e 100% da mão de obra contratada serão nacionais. “Porque mão de obra estrangeira é muito específica e, normalmente, está associada a algum tipo de trabalho de um componente nuclear ou alguma estrutura mais específica. Vai ser pontual, pelo menos nessa fase. Hoje, é 100% nacional o que está lá”.

Próximo passo

Segundo Brunswick, o próximo passo será a contratação do Epecista, ou projetista, fornecedor e construtor, simultaneamente. Este foi o modelo definido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a retomada de Angra 3. Na verdade, será uma empresa ou consórcio que finalizará as obras civis e a montagem eletromecânica da usina, o que ocorrerá por meio de contrato de EPC (sigla em inglês para engenharia, gestão de compras e construção). Nessa fase, será contratada também mão de obra estrangeira, porque são diversos componentes, muitos dos quais, importados e que têm assistência da Framatome, um dos principais líderes mundiais no setor da energia nuclear, cuja participação é significativa na etapa atual do Plano de Aceleração.

A previsão é que a contratação do Epecista ocorra por volta de 2024. “Quem entrar vai ter que fazer o restante das obras civis, a montagem eletromecânica e o comissionamento”, destacou Brunswick. Ele disse que a privatização da Eletrobras não altera em nada a operacionalização das usinas nucleares Angra 1 e 2.

De acordo com Brunswick, o que muda é que, antes, a usina estava sob controle da Eletrobras e que agora, a ex-holding do setor elétrico passa a ser uma investidora do projeto. “Do ponto de vista prático, não muda, porque o estudo de modelagem do BNDES continua, vai ter a licitação do mesmo jeito.” O que muda é a questão da fonte de recursos, que passa a ser da nova holding Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBpar), criada pelo governo federal, que vai abrigar ativos de Eletronuclear e Itaipu Binacional, explicou. “Não afeta o cronograma de Angra 3 de modo algum”, concluiu.

Confira todas as novidades das empresas da BIDS

Fique informado sobre as ações das nossas Forças Armadas e de segurança

 

Translate»