M
Logo Portal da BIDS

© 2022 CityPubli

Logo Portal da BIDS
Logo Portal da BIDS

NOTÍCIAS

CSSP Brasil realiza encontro com comunidade científica no CEMADEN

Na última terça-feira (28) aconteceu o primeiro dia do Workshop Anual de Ciência do Climate Science for Service PartnerShip Brazil – CSSP, programa do Weather and Climate Science for Service Partnership – WCSSP. A iniciativa, que é uma troca de experiências...

FAB e BNDES assinam contrato sobre gestão de imóveis

A Força Aérea Brasileira (FAB) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) assinaram, na sede do Comando da Aeronáutica (COMAER), em Brasília (DF), um contrato que viabiliza ações com potencial de gerar aumento da eficiência da gestão do...

Marinha e CAPES assinam Acordo de Cooperação

A Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, da Marinha do Brasil, assinou um Acordo de Cooperação Técnica com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) para ofertar 28 bolsas de doutorado em Ciências do Mar. O...

Simulação Viva encerra certificação de Força de Prontidão em RR

A 1ª Brigada de Infantaria de Selva foi selecionada para compor o Sistema de Prontidão Operacional e concluiu, no final de junho, o exercício de simulação viva, etapa final da certificação de sua Força de Prontidão, a FORPRON Lobo D'Almada. No dia 26, a brigada...

Força Nacional vai apoiar a Funai em terra indígena no Pará

Agentes da Força Nacional de Segurança Pública atuarão, por 90 dias, na Terra Indígena Alto Rio Guamá, no Pará, em apoio à Fundação Nacional do Índio (Funai). Portaria que autoriza o emprego da Força Nacional foi publicada ontem (30) no Diário Oficial da União. As...

Parcerias para BIDS são tema de reunião entre Ministro da Defesa e presidente do Condefesa

O Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, recebeu em seu gabinete, na sede da Pasta, a visita do presidente do Conselho Temático da Indústria de Defesa e de Segurança (Condefesa) e vice-presidente Executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI),...

TAURUS e CBC firmam patrocínio com a Confederação Brasileira de Tiro Prático

A Taurus e a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), consideradas entre as principais fabricantes de armas e munições do mundo, são novamente patrocinadoras oficiais do Tiro Prático. As empresas apoiarão a Confederação Brasileira de Tiro Prático (CBTP) em campeonatos...

Ministro da Defesa se reúne com presidente do Condefesa

O Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, recebeu em seu gabinete, na sede da Pasta, a visita do presidente do Conselho Temático da Indústria de Defesa e de Segurança (Condefesa) e vice-presidente Executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI),...

Exército Brasileiro participa de planejamento de exercício nos EUA

A equipe de coordenação e ligação do Exercício CORE 22 (Combined Operation and Rotation Exercises 22) realiza, no período de 27 de junho a 1° de julho, a Conferência Logística de Rotação. Na atividade, ocorre o planejamento para o adestramento combinado entre as...

Novo passaporte está mais moderno e com tecnologia antifraude

Apresentado nesta semana, o novo passaporte de viagem dos brasileiros é mais moderno e seguro. Além de identificar o portador em outros países com mais segurança, o documento também é um cartão de visita do Brasil para o mundo, com ícones que representam elementos da...

Por Oleksandr Stashevskyi e Frank Bajak

Nos campos de batalha da Ucrânia, o simples ato de ligar um telefone celular pode atrair uma chuva mortal. Radares de artilharia e controles remotos para veículos aéreos não tripulados também podem convidar a chuvas de estilhaços de fogo.

Esta é a guerra eletrônica, um aspecto crítico, mas em grande parte invisível, da guerra da Rússia contra a Ucrânia. Os comandantes militares evitam discutir o assunto, temendo que comprometam as operações ao revelar segredos.

A tecnologia de guerra eletrônica visa sistemas de comunicação, navegação e orientação para localizar, cegar e enganar o inimigo – e direcionar golpes letais. É usado contra artilharia, caças, mísseis de cruzeiro, drones e muito mais. Os militares também o usam para proteger suas forças.

É uma área onde se pensava que a Rússia teria uma clara vantagem ao entrar na guerra. No entanto, por razões não totalmente claras, sua muito elogiada proeza na guerra eletrônica mal foi vista nos estágios iniciais da guerra no caótico fracasso em tomar a capital da Ucrânia, Kyiv.

Tornou-se muito mais um fator na atual luta feroz no leste da Ucrânia, onde linhas de abastecimento mais curtas e fáceis de defender permitem que a Rússia mova equipamentos de guerra eletrônica para mais perto do campo de batalha.

Um oficial de inteligência ucraniano chamou a ameaça russa de “bastante severa” quando se trata de interromper os esforços de reconhecimento e as comunicações dos comandantes com as tropas. O bloqueio russo de receptores de GPS em drones que a Ucrânia usa para localizar o inimigo e o fogo direto de artilharia é particularmente intenso “na linha de contato”, disse ele.

A Ucrânia teve algum sucesso contra o ataque eletrônico da Rússia. Ele capturou hardware importante – um golpe de inteligência significativo – e destruiu pelo menos duas unidades de guerra eletrônica móvel de vários veículos.

A própria capacidade de guerra eletrônica da Ucrânia é difícil de avaliar. Analistas dizem que melhorou significativamente desde que a Rússia tomou a Crimeia e instigou uma revolta separatista no leste da Ucrânia em 2014. A Ucrânia também fez uso efetivo de tecnologia e inteligência dos Estados Unidos e de outros membros da Otan, ajudando-a a afundar o cruzador de batalha Moskva. Satélites aliados e aeronaves de vigilância ajudam dos céus próximos, assim como a rede de comunicações por satélite Starlink de Elon Musk.

A guerra eletrônica tem três elementos básicos: sondar, atacar e proteger. Primeiro, a inteligência é coletada pela localização de sinais eletrônicos inimigos. No ataque, a interferência de “ruído branco” desativa e degrada os sistemas inimigos, incluindo comunicações de rádio e celular, defesa aérea e radares de artilharia. Depois, há o spoofing, que confunde e engana. Quando funciona, as munições erram seus alvos.

“Operar em um campo de batalha moderno sem dados é muito difícil”, disse a coronel aposentada Laurie Buckhout, ex-chefe de guerra eletrônica do Exército dos EUA. A interferência “pode cegar e ensurdecer uma aeronave muito rapidamente e muito perigosamente, especialmente se você perder o GPS e o radar e for um jato voando a 600 milhas por hora”.

Tudo isso explica o sigilo em torno da guerra eletrônica.

“É um campo incrivelmente secreto porque é altamente dependente de tecnologias de ponta em evolução, onde os ganhos podem ser copiados e apagados muito rapidamente”, disse James Stidham, especialista em segurança de comunicações que consultou os departamentos de Estado e Segurança Interna dos EUA.

A Ucrânia aprendeu duras lições sobre guerra eletrônica em 2014 e 2015, quando a Rússia sobrecarregou suas forças com ela. Os russos derrubaram drones do céu e desativaram ogivas, penetraram em redes de celulares para operações psicológicas e se concentraram em blindados ucranianos.

Um oficial ucraniano contou a Christian Brose, um assessor do falecido senador americano John McCain (R-Ariz) como os guerreiros da informação russos enganaram um comandante para retornar uma ligação sem fio de sua mãe. Quando o fez, eles o localizaram geograficamente no meio da ligação e o mataram com foguetes de precisão, escreveu Brose no livro “The Kill Chain”.

Na guerra atual, a guerra eletrônica tornou-se um furioso teatro de contenção.

A Rússia se envolveu em bloqueios de GPS em áreas da Finlândia ao Mar Negro. Uma companhia aérea regional finlandesa teve que cancelar voos em uma rota por uma semana como resultado. A interferência russa também interrompeu a transmissão da TV ucraniana, disse Frank Backes, executivo da Kratos Defense, com sede na Califórnia, que possui estações terrestres via satélite na região.

No entanto, nos primeiros dias da guerra, o uso da guerra eletrônica pela Rússia foi menos eficaz e extenso do que o previsto. Isso pode ter contribuído para o fracasso em destruir unidades de radar e antiaéreas suficientes para obter superioridade aérea. Alguns analistas acreditam que os comandantes russos retiveram as unidades temendo que as unidades fossem capturadas. Pelo menos dois foram apreendidos.

Os comandantes russos também podem ter limitado o uso da guerra eletrônica no início do conflito por preocupação de que técnicos mal treinados ou mal motivados possam operá-la mal.

“O que estamos aprendendo agora é que os russos acabaram por desligar porque estava interferindo muito em suas próprias comunicações”, disse o tenente-general aposentado Ben Hodges, ex-comandante do Exército dos EUA para a Europa. Os problemas eram evidentes com muitas tropas russas falando em canais de rádio abertos e inseguros, facilmente monitorados por pessoas de fora.

O Ministério da Defesa da Rússia não respondeu às perguntas deste artigo.

Não está claro quanta vantagem seus ativos eletrônicos podem oferecer agora. As forças da Ucrânia estão agora mais concentradas, o que pode torná-las mais fáceis de atacar.

Muito depende se os grupos táticos do batalhão da Rússia “estão configurados na realidade como estão no papel”, disse James Rands, do think tank de inteligência militar de Jane. Cada grupo deve ter uma unidade de guerra eletrônica. O Pentágono diz que 110 grupos estão na Ucrânia.

O Kremlin também afirma ter mais de 1.000 pequenos e versáteis veículos aéreos não tripulados Orlan-10 que usa para reconhecimento, direcionamento, interferência e interceptação de celulares.

Os EUA e a Grã-Bretanha estão fornecendo equipamentos de interferência. O quanto isso ajuda não está claro. Nenhum país ofereceu detalhes.

O Starlink de Musk é um ativo comprovado. Seus mais de 2.200 satélites de baixa órbita fornecem internet de banda larga para mais de 150.000 estações terrestres ucranianas. Cortar essas conexões é um desafio para a Rússia. É muito mais difícil bloquear satélites em órbita terrestre baixa do que os geoestacionários.

Musk ganhou aplausos por derrotar pelo menos temporariamente o bloqueio russo dessas estações terrestres com uma rápida correção de software. Mas ele alertou os ucranianos para desligá-los quando possível – eles são vulneráveis ​​à geolocalização – e se preocupou no Twitter com os esforços redobrados de interferência russa.

FONTE: Associated Press, via military.com   – Portal Forças Terrestres

Translate»