M
Logo Portal da BIDS

© 2021 CityPubli

Logo Portal da BIDS
Logo Portal da BIDS

NOTÍCIAS

MAC JEE ESTARÁ NA MOSTRA BID BRASIL 2021

Evento acontece de 7 a 9 de dezembro, em Brasília (DF) O Grupo Mac Jee está apresentando seus principais produtos nos eventos mais importantes e representativos do setor de Defesa. De 7 a 9 de dezembro, a empresa participará da 6ª edição da Mostra BID Brasil,...

ABIMDE prestigia passagem de comando do 8º Distrito Naval

O Diretor de Projetos da ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança), Comandante Paulo Albuquerque, participou da cerimônia de passagem de comando do 8º Distrito Naval, em São Paulo (SP), na manhã desta quinta-feira (2), onde o...

Mostra BID Brasil reúne as principais empresas de Segurança e Defesa em Brasília

A ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) realiza a 6ª Mostra BID Brasil, de 7 a 9 de dezembro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília (DF). O evento reúne as principais empresas brasileiras do setor, que irão...

Deputados querem ouvir empresas sobre documentos da Defesa

A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (1/12), um requerimento do deputado Claudio Cajado (PROGRESISTAS-BA), para a realização de audiência pública para discutir a implementação da Política Nacional...

Brasil marca presença na Expodefensa 2021, na Colômbia

O Brasil marca presença na Expodefensa 2021, que teve início nesta segunda-feira (29) e termina nesta quarta (1/12), em Bogotá (Colômbia). Estão presentes no evento a ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) e as empresas Atech,...

Frente Parlamentar Mista da Inteligência Artificial é instalada na Câmara

A Frente Parlamentar Mista da Inteligência Artificial foi instalada na última quarta-feira (24) pelo Congresso Nacional. O grupo de deputados e senadores pretende atuar como um observatório para futuras atualizações do marco legal da inteligência artificial, além de...

Brasil apresenta tecnologias, produtos e sistemas de Defesa na Edex 2021

Tecnologias, produtos e sistemas produzidos pela Base Industrial de Defesa brasileira estarão expostos na Egypt Defence Expo – Edex 2021, feira internacional que começa nesta segunda-feira (29/11) e segue até quinta (2/12), em New Cairo (Egito). A ABIMDE e dez associadas estarão presentes no evento: Atech, CBC, Avionics, Condor, Embraer, Kryptus, MacJee, M&K, Omnisys e Taurus.

Força Aérea Brasileira recebe quatro aeronaves F-39 Gripen; veja vídeo

O Comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, recebeu as quatro primeiras aeronaves F-39 Gripen, entregues pela Saab, e que serão o principal vetor da defesa aérea do País. A entrega aconteceu na sede da...

MAC JEE PARTICIPA DO EDEX 2021 NO EGITO

Sistema de guiagem de munições aéreas e lançador de foguetes serão os destaques do grupo brasileiro no evento O Grupo Mac Jee tem marcado presença em feiras internacionais do segmento de Defesa. Após participar da Dubai Airshow 2021, de 14 a 18 de novembro, em Dubai,...

MD divulga vencedores do concurso sobre soluções para o orçamento de Defesa

Saiu o resultado do "1º Concurso Soluções para o Orçamento de Defesa". O primeiro lugar foi para Leonardo Antonio Monteiro Pessoa, Miguel Angelo Lellis Moreira e Claudio de Souza Rocha Junior. Eles venceram com o trabalho “Uma proposta para auxílio à decisão...

O Portal Defesa Aérea & Naval publicou nesta quinta-feira (25) uma entrevista concedida pelo Diretor-Geral do Material da Marinha (DGMM), Almirante de Esquadra José Augusto Vieira da Cunha de Menezes, sobre os programas da Marinha do Brasil. A entrevista foi feita pelo jornalista Luiz Padilha, veja abaixo os principais trechos.

A íntegra da entrevista pode ser acessada neste link: https://bit.ly/3oXW0BO.

DAN – Quais as perspectivas em termos de construção/aquisições navais para a região amazônica, após o início da construção do NAsH Anna Nery?

AE Cunha – Atualmente, para a região Amazônica, temos a construção do Navio de Assistência Hospitalar Anna Nery, que é proveniente de convênio com o Ministério da Saúde, e a previsão de remotorização do Navio-Patrulha Fluvial Pedro Teixeira. Em relação à perspectiva futura, existe o Projeto de Obtenção de Navios de Assistência Hospitalar que contempla a aquisição, por construção, de quatro Navios de Assistência Hospitalar (NAsH) com capacidade de transportar e operar um helicóptero de pequeno porte, dispondo de capacidades hospitalares para realizar atendimentos médicos e odontológicos, mas sem disponibilidade orçamentária para sua execução nesse momento.

DAN – Atualmente a Marinha está com 2 programas em andamento. A Fragata Classe Tamandaré (FCT) e a agora o NApAnt. Desses o FCT está numa fase mais adiantada. Qual a programação prevista para 2022 no programa FCT?

AE Cunha – Para o primeiro semestre do próximo ano, está programada a entrega do Mock up, que poderá ser um compartimento qualquer do navio, por exemplo, uma coberta de rancho ou a câmara do Comandante, que será construído pelo estaleiro projetista – thyssenkrupp Estaleiro Brasil Sul – para verificar se as técnicas utilizadas estão de acordo com o que prezam as sociedades classificadoras.

O Mock up normalmente é um estande, um modelo de verificação, mas no caso da Fragata Tamandaré, além dele ser certificado, será efetivamente usado. Então, teremos ao longo do primeiro semestre a entrega desse Mock up, que deverá ocorrer em uma cerimônia, representando o início efetivo de construção da embarcação, já que será a primeira chapa a ser fabricada de um compartimento real do navio.

DAN – E isso ocorre antes mesmo de bater a quilha da Fragata Classe Tamandaré?

AE Cunha – Os navios mais modernos são construídos em módulos, por meio do uso de técnicas avançadas que promovem a integração das seções que compõem a embarcação. Dessa forma, não ocorre aquela tradicional cerimônia de batimento da quilha, que atualmente se traduz na entrega do Mock up ou no corte de uma primeira chapa do restante da plataforma do casco. Então, nós devemos usar a construção do Mock up que vai ser efetivamente um compartimento do navio, para fazer a cerimônia do que seria o batimento da quilha.

O thyssenkrupp Estaleiro Brasil Sul está bem aparelhado, então tudo indica que realmente no primeiro trimestre do ano que vem vai ter a cerimônia que dará início à construção do navio.


Inauguração do Escritório da Atech no Rio de Janeiro, em outubro deste ano


DAN – Apesar de ainda ser cedo para perguntar, mas além das quatro Fragatas, é intenção da Marinha construir mais duas?

AE Cunha – Essa decisão dependerá do andamento do PFCT, que até agora está indo muito bem, e da disponibilidade orçamentária, mas o interesse da Marinha é claramente pela construção de, pelo menos, mais duas e, logicamente, mais modernas e avançadas que as antecessoras. Não serão iguais às quatro primeiras, pois o intervalo entre a primeira que será entregue em 2025 e a segunda, terceira e quarta já sofrerá redução da quantidade de meses, em virtude da curva de aprendizado adquirida, logo o prazo para construção de uma quinta ou sexta embarcação será reduzido.

Atualmente, junto à ATECH, há um grupo de engenheiros brasileiros na área de sistemas e de software trabalhando na Alemanha para o desenvolvimento do CMS, e outro grupo no Canadá, participando do desenvolvimento do IPMS. Além disso, em ambos os grupos a Marinha participa com seu pessoal no recebimento da tecnologia e respectivos processos de desenvolvimento.

Recentemente, a ATECH inaugurou seu escritório na cidade do Rio de Janeiro voltado para as demandas do Programa Fragatas Classe Tamandaré, dessa forma, serão montados laboratórios específicos para o CMS e para o IPMS. No AMRJ também será instalado laboratório para receber esses sistemas, para que antes de inserir o software e o hardware no navio, eles possam ser testados em terra, simultaneamente, pela empresa e pela MB. A ATECH que pertence ao Grupo EMBRAER, é uma integradora de sistemas e assim como qualquer desenvolvedor de Sistemas de Combate ou Sistemas de Integração de Plataforma, deve ser capaz de, por exemplo, desenvolver sistemas que gerenciem uma plataforma de petróleo ou o trânsito em uma determinada localidade.

DAN – A Marinha lançou um RFI para 2 navios hidrográficos (NHo)? Serão para uso na Amazônia Azul ou serão para uso fluvial?

AE Cunha – A Marinha realizou a Request for Information (RFI) nº 40005/2020-002 e foram recebidas respostas de cinco estaleiros interessados. Esses estaleiros participaram de um Ciclo de Painéis, que permitiram aos interessados apresentarem suas respostas à RFI. No decorrer dos painéis, a Diretoria de Gestão de Programas da Marinha (DGePM) frisou a prioridade de obtenção, por construção, dos NHo-2 no Brasil, de forma a promover e estimular encomendas de construção de meios e a fim de fomentar o desenvolvimento da Base Industrial de Defesa (BID).

Os dois Navios de Pesquisa (Hidroceanográficos) terão o seu emprego operacional na Amazônia Azul, a fim de conduzir os levantamentos hidrográficos de interesse nas Águas Jurisdicionais Brasileiras (AJB) e apoio à sinalização náutica.

DAN – E tem previsão de Lançar a RFP?

AE Cunha – Ainda não foi definido qual será o modelo global de negócios.

DAN – Como está a fase de conclusão do NPa Maracanã? A construção do NPa Mangaratiba está em andamento? Tem previsão?

AE Cunha – A previsão de entrega do NPa Maracanã é no final de 2022 e do NPa Mangaratiba, no ano de 2024. As construções estão ocorrendo em paralelo. É uma prioridade da Marinha e nós estamos focando os recursos orçamentários para terminá-los.

O NPa Maracanã se encontra na fase de acabamento. Uma parte da primeira tripulação, que é o grupo A de recebimento, composta provavelmente pelo futuro imediato, chefe de máquinas e uma guarnição reduzida, já está a bordo desde janeiro de 2021, acompanhando exatamente a construção do navio. E isso é muito bom porque como eles serão a primeira tripulação, poderão auxiliar nos ajustes a serem realizados.

É interessante ressaltar que logo após a chegada dos cascos do NPa Maracanã e do NPa Mangaratiba ao AMRJ, a empresa GHENOVA, contratada no início de 2020 pela Marinha, fez um projeto de detalhamento da construção. Dessa forma, ambos os navios já têm um projeto para a construção no Arsenal de Marinha, com algumas pequenas modificações em relação ao NPa Macaé e o NPa Macau.

Dentro do Programa de Revitalização do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ), o pensamento é prosseguir com a construção de navios de 500 t e chegar até navios de 1800 t. Então, em termos de navios de superfície, o que é vislumbrado para os próximos anos para o Arsenal de Marinha, em específico, é a construção de navios de até no máximo 1800 t. Nós já realizamos uma RFQ para entender o preço desses navios no mercado, e quando tiver um orçamento disponível, construir. Logicamente há as questões jurídicas de licitação que serão obedecidas, mas a Marinha entende que nesse processo de retomada da construção no AMRJ, a vocação do Arsenal é de construção de navios de superfície de até 1800 t e continuar a manutenção dos navios de superfície e dos submarinos Classe Tupi.

DAN – Com 3 NPaOc classe Amazonas cumprindo diferentes missões na Marinha, a construção de novos navios desta classe será o próximo passo da MB para manter a Amazônia Azul patrulhada?

AE Cunha – A MB, por meio do Programa de Construção do Núcleo do Poder Naval, possui no Subprograma de Construção de Navios Patrulha (PRONAPA), o Projeto de Obtenção dos Navios-Patrulha Oceânicos Brasileiros (NPaOc-BR). O Projeto prevê a obtenção, por construção no País, de NPaOc-BR, com deslocamento de 1.800 toneladas, comprimento aproximado de 100 metros, obedecendo projeto elaborado e aprovado pela MB. O propósito deste programa é de conferir à MB maior capacidade de produzir e manter meios navais, além de promover o desenvolvimento da indústria nacional, contribuindo para o aprimoramento da capacitação industrial autônoma, fator de suma importância para a soberania do Brasil.

A Marinha realizou a Solicitação de Cotação (Request for Quotation – RFQ) aos estaleiros, a RFQ almejou obter as cotações de Projeto Pronto de Navio-Patrulha Oceânico (OPV), com a customização eventual incluindo a participação do Centro de Projetos de Navios (CPN). Dez empresas responderam ao RFQ.

Referente aos navios Classe Amazonas, já foram solicitadas informações de sistemas de combates e de armas para nós fazermos uma modernização de meia vida para eles. Isso porque foram navios de sucesso, muito versáteis e flexíveis, que atendem muito bem às tarefas da Marinha do Brasil.

DAN – Sabemos que existe um projeto para novos NPa de 500 toneladas, em um projeto diferente da Classe Macaé. Existe alguma possibilidade de que no lugar do NPa de 500 t, a Marinha opte por um NPa de tonelagem maior, tipo 800 toneladas?

AE Cunha – A Marinha do Brasil, em termos de construção naval relacionada a Navios-Patrulha, apresenta o seguinte cenário: retomada da construção do NPa Maracanã e do NPa Mangaratiba; projeto de Navios-Patrulha de 500 toneladas (NPa 500BR) que está avançando rumo ao final da fase preliminar do projeto, mas ainda sem orçamento para construir; e como mencionado anteriormente, há em andamento uma RFQ relacionada a navios de 1.800 toneladas.

DAN – A Marinha está entrando na fase inicial de operação com Sistemas de Aeronaves Remotamente Pilotados (SARP), com a entrada em serviço do ScanEagle. Os futuros Navios Patrulha estão sendo pensados para operar com este tipo de aeronave?

AE Cunha – Qualquer navio que tenha a capacidade de receber um contêiner ou então convoo, como é o caso das fragatas da Classe Niterói, as corvetas Júlio de Noronha e Barroso, e os NPaOc, operam perfeitamente com o “ScanEagle”.

A MB entende que para a Amazônia Azul, a capacidade de vigilância de SARP-E deve ser maior, então a intenção é entrar em categorias mais altas de sistemas de Aeronaves Remotamente Pilotados (SARP), mas vai depender logicamente do que o mercado tem para oferecer, quais são as empresas que operam SARP-E de características maiores, por exemplo, do tamanho do Scan Eagle de categoria 2 até 3.

Então, para a Marinha evoluir para outro nível, é necessário manter conversas com grandes empresas para verificar os sistemas já desenvolvidos ou que estejam em fase de desenvolvimento, e customizar para nossa realidade.

 

Translate»